domingo, 28 de fevereiro de 2016

não duvides meu amor

Foto de Júlia Tigeleiro


Não duvides - meu amor - o gato sabe-o.
Os gatos sabem-no sempre, mesmo que nunca ninguém lhes 
confesse o quanto doem os dias de amor mal temperado.
Acredita, eles sabem e, por isso, falam com a janela mais
silenciosa da casa, deixam de alimentar a hora o corpo de pelos tão ternos.
Os gatos sabem-no e são os únicos animais que sentem 
da mesma forma que nós, que amam pessoas com nomes mais ou 
menos possíveis.
E nós somos para os gatos - quando eles amam - o 
parapeito de onde podem observar em segurança os dias
menos cinzentos do ano.
O amor não é inútil. Só os gatos o sabem.

David Teles Pereira



Foto de Julia Tigeleiro

Somos de um lugar em que um gesto arde com o silencio

O nosso olhar foi feito para se misturar com a voz
A desmaiar no poente dos campos.
E como ave, sabemos todas as formas de sufocar a alma.

Somos de um lugar onde os homens se cobrem com asas.

A cada esquina espreitamos para lá dos dias
Tao naturalmente como abandonamos a vida
Por caminhar com as mãos asfixiadas.

Sempre à mesma hora esperamos pelo mesmo barco
E talvez ele nunca faca escala nestes lugares.
Somos a mesma coisa espreitando pelo mesmo lugar
Mas a linha que nos separa neste momento,
Separa-nos para toda a eternidade.

David Teles Pereira

Sem comentários:

Enviar um comentário