quarta-feira, 11 de julho de 2018

hoje...

Foto Júlia Tigeleiro





Hoje, prefiro cantar as coisas simples, as que
crescem depressa, como os ciprestes, ou as
que se enrolam a tudo o que aparece nos muros
como as buganvilias. Através delas, vejo o céu
que me traz outras coisas, mais complicadas
do que estas da terra; e também no céu
escolho, hoje, o que não é difícil, a nuvem 
que há pouco parecia eterna e desapareceu;
ou um branco sujo que apagou o horizonte,
por algum tempo, e fez com que todo o
universo ficasse ao meu alcance para nada.

Mas o que é simples também pode ser o
seu contrário. Há uma lógica no interior
deste movimento que faz crescer o cipreste,
ou empurra a buganvilia para o fundo do muro;
e também as nuvens seguem uma direção
precisa, mudando a sua forma à medida que 
se afastam dos meus olhos. A verdade deste
mundo encontra-se no próprio acaso que
determina; e sou eu que tenho de encontrar
as razões para o que não precisa delas,
porque a sua existência se limita a este
perfume de fim de verão, ou à queda
das folhas que se confundem com nuvens.
O mundo é imprevisível como a vida
da borboleta que nasce de dentro da
buganvilia; mas o vento que há pouco soprava,
não me disse nada sobre isso, nem o seu
sopro vago me libertou de folhas e de
nuvens, para que o chão e céu ficassem
limpos. Só a borboleta, no instante do voo,
trouxe a sua luz dissonante para dentro
da natureza; e foi ao encontrá-la,
no meio da terra e das pedras do jardim,
que me apercebi de que nem tudo é simples,
quando a morte se cruza com a beleza.

Nuno Júdice



4 comentários:

  1. Olá, Júlia,

    O que posso dizer da beleza dessa fotografia usada como suporte para o poema de Nuno Júdice?
    Só posso pontuar o modo como o poeta transcende a relação das coisas simples e complicadas por meio de seus procedimentos, de um ponto de vista poético, metafórico, para chegar ao poema que nos é dado para ler e tão carregado de significação.
    Parabéns pela dupla partilha: foto e poema, integrados como se fossem um único corpo.
    Fique com o meu abraço, Julia.

    ResponderEliminar
  2. Boa noite Julia!
    Um poema muito bonito, cheio de significado.
    A foto é maravilhosa.
    Ótima semana!
    Abraço grande!
    Escrevinhados da vida

    ResponderEliminar
  3. Gosto de Nuno Júdice.
    A fotografia está excelente , fazem um belo casamento.
    Grata pela passagem no Parapeito
    brisas doces *

    ResponderEliminar