quinta-feira, 17 de maio de 2018

água no caminho dos espelhos

Foto Júlia Tigeleiro


Quem se importa se não vens pela estrada, ou se o teu nome é muito longe como a sombra? Hoje abri as mãos enquanto o sul me fugia em pássaros sob a lua. Há árvores tão lentas neste inverno e passos mudos, água no caminho dos espelhos.
E tu não estás, não está lentamente, nem sobre os telhados vermelhos, nem ao longe como o forte querer que a neve caia e tudo apague como se apaga o mundo quando docemente um beijo nos explodia no meio da solidão.


gil t. sousa

8 comentários:

  1. obrigado pela visita
    um texto muito bonito, gostei


    ResponderEliminar
  2. Linda Julia Tigeleiro,
    A tua prosa me encanta!
    Há poesia, e há tanta
    Que a sinto em sabor e cheiro.

    É um poema altaneiro
    Sobre paixão sacrossanta
    Que tua alma o canta
    E encanta a alma primeiro,

    Depois nos encanta a mente
    E quando, então, derrepente
    Encantou o coração.

    É uma prosa excelente
    Ela é alegre e plangente
    Ao mesmo tempo. É canção!

    Gostei bastante do texto! Parabéns! Grande abraço! Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bravo...que lindo!!! Obrigada. Um abraço Laerte.

      Eliminar
  3. Gostei do trecho poético e do enígma posto no espelho fotográfico.

    Quem se importa entre o partir e o chegar?
    Importa quem se vê na face e não no verso
    E eu, olho-me no espelho com quem converso?

    Bj.

    ResponderEliminar
  4. Transparecias que só a luz revela...!Um abraço Agostinho.

    ResponderEliminar
  5. Um texto muito belo, introspectivo e nostálgico... que não poderia estar melhor expresso na forma de poesia... sob a forma de imagem... adorei a foto! Está linda!...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  6. As flores que depositei em lugares onde não fui...!!!Um beija Ana

    ResponderEliminar